(18) 99698-0957 ...........(18) 3918-5300 ..........

NO AR

Programa Pétalas de Rosa do Clube do Ouvinte de Santa Teresinha

Com Pétalas de Rosa do Clube do Ouvinte de Santa Teresinha

Brasil

Apesar de repasse, Prefeitura diz que câmeras em escolas são inviáveis

Publicada em 03/01/19 as 19:01h por https://www.portalprudentino.com.br/ - 9 visualizações


Compartilhe
   

Link da Notícia:

 (Foto: https://www.portalprudentino.com.br/)
Na teoria, leis são feitas para serem cumpridas. E com a garantia de verba para tal, a execução estaria garantida. Porém, em Presidente Prudente, a Prefeitura resolveu ignorar a Lei Municipal 9.514/17 e, com ela, a emenda no Orçamento de 2018 que garantiu o repasse de R$ 1,6 milhão para a instalação de câmeras de segurança em todas as escolas da rede municipal de ensino.

Aprovada há dois anos, a lei assinada por todos os vereadores obriga a instalação de câmeras de monitoramento de segurança nas dependências e cercanias de todas as escolas municipais. 

A instalação deve considerar a quantidade proporcional de alunos e funcionários existentes na unidade escolar. Pela lei promulgada pelo Legislativo após o prefeito Nelson Bugalho (PTB) silenciar-se sobre o sancionamento da medida, cada escola municipal deve ter, no mínimo, duas câmeras de segurança que registrem permanentemente as áreas de acesso e principais instalações internas.

Como forma de prevenção, a lei determina que “as escolas situadas nas áreas de planejamento onde foram constatados os mais altos índices de violência terão prioridade na implantação do equipamento”.

Para garantir a execução da propositura, os parlamentares aprovaram uma emenda ao Orçamento de 2018, repassando R$ 1,6 milhão do orçamento legislativo para a Prefeitura. 

Indiscutível, mas inviável

Em nota enviada ao Portal, a Secretaria Municipal de Educação (Seduc) diz que não "se questiona a Lei 9.514/2017, como também é indiscutível que sua execução gera custos e despesas ao município tornando inviável”.

Apesar de contar com R$ 1,6 milhão para a implantação do sistema de segurança, a Seduc afirma que a prioridade é manter "as crianças nas escolas com aula, bem como a manutenção de serviços de infraestrutura para o bom funcionamento das unidades escolares visando o atendimento adequado dos alunos e funcionários". 

"Houve contratações de 46 de professores efetivos e 141 professores contratados/substitutos para educação Fundamental e na Educação Infantil foram chamadas 27 efetivos e 77 contratados/substitutos; além de 16 professores de Educação Especial para manter os 200 dias letivos obrigatórios conforme Lei da Educação", justifica.

Colocou culpa na economia

Conforme a Seduc, os fatores citados impediram a instalação das câmeras nas unidades escolares. Contudo, não informa se executará o que determina a lei em 2019. "Estes fatores, aliados a manutenção do ensino de qualidade, acabaram impedindo, no decorrer deste ano, o implemento das câmeras de monitoramento nas escolas tendo em vista situação econômica que está atingindo todos os municípios", conclui.   

Sobre a verba de R$ 1,6 milhão, não há informação de como foi utilizada ou se permanece reservada para o cumprimento da lei.



ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário
 
Enquete
O que você achou do novo site?

 Excelente
 Muito Bom
 Regular
 Ruim







.

LIGUE E PARTICIPE

(18) 99698-0957 ou (18) 3918-5300

Visitas: 30907
Usuários Online: 22
Copyright (c) 2019 - Onda Viva 95,7 FM - Desenvolvido: André Fogaroli - (18) 98193-5458